Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

Em audiência, FENAM mostra que toda a MP 621 viola os direitos humanos


Foto: Fernanda Lisboa
Em audiência, FENAM mostra que toda a MP 621 viola os direitos humanos
Por meio de uma apresentação, Jorge Darze mostrou como o Mais Médicos é uma ação emergencial, paliativa, eleitoreira e fere a legislação.


03/10/2013
Em audiência para debater a violação de direitos humanos dos médicos cubanos participantes do Mais Médicos, o representante da Federação Nacional dos Médicos (FENAM), Jorge Darze, enfatizou que a medida como um todo viola os direitos de todos. O debate foi realizado pela Comissão de Direitos Humanos e Minorias, na tarde desta quarta-feira (02), na Câmara dos Deputados. Por meio de uma apresentação, ele mostrou como o Mais Médicos é uma ação emergencial, paliativa e eleitoreira do governo. Os slides continham cenas do início da medicina, a crise atual nos hospitais, os pontos que ferem a legislação brasileira, entre outros.

"Essa comissão deve se ater a todas as regras que compõem a MP 621, o que está longe de representar uma solução para a saúde brasileira. Tudo ali fere o direito humano. Dizer que uma parte da população terá assistência com profissional revalidado e outra não? A vida está ameaçada nesse programa", explicou Darze que também é presidente do Sindicato dos Médicos do Rio de Janeiro (SinMed-RJ).

Outro ponto destacado foi a diferença do valor pago da bolsa aos cubanos, uma vez que a Organização Panamericana de Saúde (Opas) recebe os 10 mil reais destinado a cada médico do programa, mas repassa uma pequena porcentagem aos de Cuba. "Estamos vendo o dinheiro público ser transferido para outra nação sem que tenhamos conhecimento do destino. No nosso país não existe receber remunerações diferentes", disse Darze. Ele ainda afirmou que o estatuto da Opas não prevê que ela tenha função de intermediar contratações de médicos, funcionando como agência terceirizadora de mão de obra.

O representante da FENAM ainda lembrou que a entidade é a favor de levar os profissionais aonde eles não estão e que inclusive levou propostas à comissões ligadas ao governo, mas nenhuma delas foi acatada. Para Jorge Darze, a falta de médicos nos 700 municípios é decorrência da própria ação do Estado que deve oferecer condições adequadas para garantir a presença deles no interior. "Queremos carreira e investimento da saúde. Temos como interferir nessa MP e coloca-la em conformidade com a legislação brasileira", concluiu.

O deputado Luiz Henrique Mandetta (DEM-MS) questionou que ninguém teve acesso ao contrato da Opas com Cuba e criticou a ausência da organização que diz não ter que lidar com o parlamento brasileiro. O procurador-geral do Trabalho, Luis Antônio de Melo, afirmou que o Ministério Público do Trabalho alguma documentação e está investigando, mas não pode dizer que há trabalho escravo contemporâneo sem ter tido evidência.

Também esteve presente representando o entendimento das entidades médicas, o presidente do Conselho Federal de Medicina (CFM), Roberto D’ávila. Ele informou que o CFM vai entrar com uma representação na Organização Mundial de Saúde (OMS) denunciando o contrato firmado pelo governo brasileiro com a Opas.

Fonte : Fernanda Lisboa



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 1158 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade FENAM
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da FENAM




Enquete

Você é filiado ao seu sindicato?


Não
Sim
Opa, selecione uma op��o.









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)