Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

Biomanguinhos produzir? medicamentos contra aids, hepatite e anemia para o SUS a partir de 2008



10/01/2006
O Instituto de Imunobiol?gicos de Manguinhos (Biomanguinhos), da Funda??o Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Rio de Janeiro, come?ou 2006 com boas not?cias para a sa?de brasileira. O instituto anunciou que come?ar? a produzir no Brasil, a partir de 2008, medicamentos contra Aids, hepatite e anemia para distribu?-los ao Sistema ?nico de Sa?de (SUS).



O primeiro ? a eritropoetina alfa humana recombinante (EPO), utilizado em tratamentos de quimioterapia, anemia e Aids. O segundo ? o interferon alfa humano recombinante (INF), que auxilia no tratamento de hepatites virais e alguns tipos de c?ncer.



Atualmente, os dois medicamentos s?o importados de Cuba e rotulados na Fiocruz. A produ??o nacional se deve a um processo de transfer?ncia de tecnologia de duas institui??es cient?ficas cubanas, o Centro de Imunologia Molecular (CIM) e o Centro de Engenharia Gen?tica e Biotecnologia (CIGB), iniciado em 2004.



?Devido aos altos custos, o Brasil importa uma pequena quantidade desses biof?rmacos e a distribui??o acaba sendo contingenciada. No caso da hepatite C, por exemplo, os pacientes precisam entrar na Justi?a para ter o direito de receber o medicamento?, disse Nadia Bator?u, gerente do Programa de Biof?rmacos de Biomanguinhos, ? Ag?ncia FAPESP



Para tentar reverter esse quadro com a produ??o nacional, Biomanguinhos abriu, no come?o de 2006, um edital p?blico para a constru??o do pr?dio de Prot?tipos, Biof?rmacos e Reativos. O espa?o abrigar? uma ampla infra-estrutura para a fabrica??o de rem?dios.



?A produ??o completa dos dois medicamentos iniciais dever? ocorrer no fim de 2008, quando a planta industrial estiver pronta e validada?, disse Nadia. ?Com o pr?dio constru?do e todos os equipamentos instalados, a meta ? tornar a produ??o 100% nacional.? A previs?o ? de sejam produzidos inicialmente, por ano, 7,5 milh?es de frascos do EPO e do INF combinados.



Os dois produtos fazem parte de uma lista de 226 medicamentos considerados ?excepcionais? pelo Minist?rio da Sa?de. Hoje, todos s?o importados a um custo bastante elevado. ?O Brasil gasta em torno de R$ 1 bilh?o por ano para importar esses 226 medicamentos e, do total, 20% s?o destinados ao EPO e ao INF?, conta a gerente do Programa de Biof?rmacos de Biomanguinhos.



Com a autonomia nacional na produ??o, a id?ia ? garantir ? popula??o maior acesso a esses medicamentos e diminuir os gastos com importa??o. ?Somente com a introdu??o dessas tecnologias de produ??o no pa?s o governo poder? economizar pelo menos R$ 40 milh?es anuais. A partir de 2008, a economia poder? ser ainda maior?, diz N?dia.



Fonte : Ag?ncia Fapesp - 10/01/2006



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 542 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade FENAM
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da FENAM




Enquete

Você é filiado ao seu sindicato?


Não
Sim
Opa, selecione uma op��o.









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)