Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

Motorista alcoolizado tem de ser tirado das ruas, adverte Ronaldo Laranjeira



09/01/2008
Um dos maiores especialistas no tema beber e dirigir faz palestra gratuita nesta 5? em Porto Alegre



Um dos maiores especialistas no pa?s em estudos e pol?ticas para estancar a combina??o fatal beber e dirigir ? categ?rico: "motorista alcoolizado tem de ser tirado das ruas". O psiquiatra Ronaldo Laranjeira, da Universidade Federal de S?o Paulo (Unifesp), identificou, em pesquisa feita em 2007, que quase 50% dos motoristas com alcoolemia acima do permitido por lei (6 decigramas de ?lcool por litro de sangue) t?m hist?rico anterior de acidentes no tr?nsito. Ele e uma equipe de pesquisadores realizaram mais de 4,6 mil testes com baf?metro revelando a irresponsabilidade de quem corre riscos, infringe a lei e amea?a vidas.



A comunidade poder? conferir em detalhes as propostas de Laranjeira na palestra gratuita Pol?ticas P?blicas para o ?lcool: estamos avan?ando? que ele profere na noite desta quinta-feira, dia 10/01, ?s 20h30min, no audit?rio da Associa??o M?dica do Rio Grande do Sul (AMRIGS), que fica na avenida Ipiranga, 5.311, em Porto Alegre, seguida de debate.



"Os n?meros de mortes do ano passado no pa?s, com ?nfase no fim de ano, d?o raz?o suficiente para que sejam tomadas medidas implac?veis. Nosso estudo mostrou ainda que homens lideram a estat?stica de dirigir acima da alcoolemia permitida", acrescentou. Das mais de 36 mil mortes no tr?nsito em 2005, 80% foram do sexo masculino.



"E a receita ? usar baf?metro, fiscalizar, aplicar a lei", orienta Laranjeira. Na palestra, promo??o do Sindicato M?dico do Rio Grande do Sul (Simers), Centro de Pesquisa em ?lcool e Drogas da UFRGS e Sociedade de Psiquiatria do RS, o especialista mostrar? como diversos pa?ses derrubaram as estat?sticas de trag?dias no tr?nsito utilizando toler?ncia zero. Nos Estados Unidos, foi alcoolemia pr?xima a zero para jovens que estancou a mortalidade. "N?o existe medida certa a partir da qual o ?lcool afeta a dire??o. Melhor ? n?o arriscar", previne.



Na pesquisa que abordou motoristas de S?o Paulo, Belo Horizonte, Santos, Vit?ria e Diadema, apenas 18% dos casos que dirigiam sem presen?a de ?lcool declararam j? ter se envolvido em acidente. O uso do baf?metro - uma unidade custa menos de R$ 500 - ? outra recomenda??o decisiva. "Algu?m j? passou pelo baf?metro na rua? N?o. Esse ? o problema", critica Laranjeira.



O especialista defender? ainda medidas de restri??o da oferta de bebidas, como fechamento mais cedo de bares, e rigor contra venda a menores de 18 anos. A resist?ncia dos ga?chos em adotar a lei seca ? considerada normal. "Mas os n?meros v?o continuar no mesmo lugar. Um dia todos se convencem que t?m de agir", opina. Tamb?m o aumento de impostos, para encarecer o pre?o, ? a??o que tem sucesso em outros pa?ses. A palestra marca o encerramento do 1? Curso de Extens?o sobre ?lcool e Drogas Centro de Estudos Luis Guedes, do Hospital de Cl?nicas de Porto Alegre.



O secret?rio da Seguran?a P?blica do RS, Jos? Francisco Mallmann, confirmou presen?a no debate, previsto para depois da palestra. Representantes de Vacaria, Canela, Dois Irm?os e Santa Rosa, que adotaram restri??o de hor?rios de bares, foram convidados. Projeto restringindo hor?rios de bares tramita na C?mara da Capital, de autoria do vereador Claudio Sebenelo. Cachoeirinha adiou a an?lise da proposta para mar?o.



Dados que fazem a diferen?a



Danos sociais (sa?de, seguran?a, trabalho, tr?nsito): preju?zos das bebidas alco?licas representam 6,1% do PIB. Os impostos gerados pela ind?stria do ?lcool significam apenas 3,5% do PIB.



78% das mortes no tr?nsito no Brasil t?m presen?a do ?lcool



A Organiza??o Mundial da Sa?de estima que 17 milh?es de brasileiros s?o dependentes de ?lcool. O alcoolismo responde por 60 doen?as que matam.



A depend?ncia qu?mica ao ?lcool responde por 40% das interna??es psiqui?tricas pelo SUS no pa?s. A desassist?ncia ? grave: n?o h? leitos e nem medicamentos para tratamento.



Levantamento Nacional sobre Padr?es de Consumo de ?lcool/2007



Fonte: Secretaria Nacional Anti-drogas e Unidade de Pesquisa em ?lcool e Drogas (Uniad)



1 - H?bitos de consumo:



9% dos adolescentes bebem mais de uma vez por semana



Jovens de 18 a 25 anos hoje: come?aram a beber aos 15,3 anos



Adolescentes de 14 a 17 anos hoje: come?am a beber aos 13,8 anos



2 - Bebidas que os adolescentes mais consomem:



Cerveja: 52% meninos | 50% meninas



Vinho: 38% meninos | 32% meninas



Destilados: 10% meninos | 4% meninas



Bebidas ice: 5% meninos | 8% meninas



3 - Brasileiros ap?iam medidas de regula??o e proibi??o:



95% ap?iam o aumento da fiscaliza??o sobre a venda de bebidas a menores de 18 anos



94% ap?iam que a propaganda tenha mensagens de alerta para perigos do ?lcool



89% defendem que n?o se sirva bebida a quem j? est? embriagado



89% ap?iam que os r?tulos tragam alertas sobre conseq??ncias do consumo



75% querem que padarias, confeitarias e mercearias sejam proibidas de vender ?lcool



76% defendem restri??o no hor?rio de venda de bebidas



68% defendem a proibi??o da propaganda na TV



56% ap?iam aumento de impostos sobre bebidas alco?licas



55% aprovam que fabricantes de bebidas sejam proibidos de patrocinar eventos culturais e esportivos



Medidas para estancar trag?dias causadas pelo consumo das bebidas



Proibir propaganda: estudos mostram que reduz consumo. Exemplo foi a proibi??o da publicidade de cigarro que derrubou o n?mero de fumantes. Ex: Porto Alegre ? 48% da popula??o fumava nos anos 60 e caiu parta apenas 23% atualmente.



Proibir a venda a menores de 18 anos: lei que existe n?o ? cumprida. Secretaria da Seguran?a P?blica do Rs enviou projeto ao Minist?rio da Justi?a para que a venda seja crime e que o ?lcool seja considerado subst?ncia que causa depend?ncia. Tem de ter mais rigor na fiscaliza??o e puni??o a infratores (venda na praia ? indiscriminada).



Restringir hor?rios de bares e restaurantes: onde foi adotada, a medida teve reduziu a viol?ncia (Diadema/SP). Resist?ncia no RS tem de ser vencida



Aumentar pre?o de bebidas: aumento e maior taxa??o (impostos) reduziria consumo. A pol?tica tem de atingir principalmente bebidas como a cacha?a, cujo pre?o ? inferior ao litro de leite



Rigor no tr?nsito: fiscaliza??o deve ser dura, cumprindo leis vigentes e aplicando baf?metro. Reduzir a zero a alcoolemia permitida foi alternativa usada com sucesso em outros pa?ses. No Brasil, ? permitido at? 6 decigramas de ?lcool por litro de sangue



Fonte : Imprensa Simers - 09/01/2008



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 668 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade FENAM
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da FENAM




Enquete

Você é filiado ao seu sindicato?


Não
Sim
Opa, selecione uma op��o.









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)